Selo_midiorama

 

 






Notícias

09/10/2017
Foo Fighters - Concrete And Gold
Por: Flávio Costa

foo_concrete

O mais novo álbum da banda de Dave Grohl é uma mistura de todas as coisas que eles já fizeram até hoje, desde o primeiro auto-intitulado de 1995 até Sonic Highways de 2014. T-Shirt é uma leve introdução para Run, o primeiro single do álbum, bem recebido, que poderia ser encaixada no Wasting Light, com nuances melódicas e ao mesmo tempo pesadas – aliás, o videoclipe para essa música é bem interessante, com vários velhinhos botando pra quebrar em uma casa de repouso, incluindo os membros da banda com maquiagem parecendo idosos.

Make It Right tem uma pegada próxima dos anos 70, com um pouco de influência do Queens Of The Stone Age, banda de seu melhor amigo Josh Homme, e a faixa conta com backing vocals de Justin Timberlake. The Sky is a Neighborhood tem a participação de Alison Mosshart (The Kills) nos vocais, além de ter uma linha instrumental na linha da banda da convidada. A faixa seguinte, La Dee Da, também conta com Alison, mas é mais pesada, mais semelhante ao que a banda fez no seu In Your Honor.

Dirty Water é mais cadenciada, levando novamente ao começo da carreira da banda, e tem vozes da cantora Inara George, da banda The Bird And The Bee – a mesma banda de onde veio o produtor do álbum, Greg Kurstin.

Arrows é pesada mas remete à fase mais recente da banda, parecido com o que foi feito no Sonic Highways. Happy Ever After é uma balada, que conta com a voz mais calma de Dave. Sunday Rain é a mais surpreendente das faixas, pois conta com a voz de Taylor Hawkins, que deixou a bateria para um amigo da banda, um certo Paul McCartney, alguém conhece?

The Line tem o estilo clássico do Foo Fighters, com seus versos tranqüilos e refrão melodioso, como se tivesse vindo do There Is Nothing Left To Lose. Para encerrar o álbum, a faixa título conta com o cantor Shawn Stockman, um dos vocalistas do grupo de R&B Boyz II Men – convidado após ele e Dave se conhecerem no estacionamento do estúdio – e é uma das mais lentas do álbum, como se o Foo Fighters quisesse colocar seu estilo em uma música do Black Sabbath.

Resumindo, é um álbum muito bom, mas ainda deixa na cabeça que a banda poderia fazer um pouco mais para agradar.

Comentários